Foto: Simona Luchian

ESCUTA E HISTÓRIA ORAL

A TV (aberta) do passado, das memórias afetivas, das influências sociopolíticas, econômicas, culturais e profissionais.

A TV (aberta) do presente, e de como se faz presente, do que representa, do que repercute e de como repercute.

A TV (aberta) do amanhã, do que se tem ao que se quer, do que se propõe, de como pode ser relevante em alcance e qualidade, que atende às necessidades de um povo cada vez mais disposto a fazer valer os seus direitos e interesses.

O Museu da Memória e Oralidades sobre a TV é um espaço virtual que se dedica a compartilhar análises discursivas e reflexivas realizadas em colaboração com representantes da sociedade civil, acerca de processos produtivos e narrativos, relacionados à televisão aberta brasileira.

O nosso ambiente colaborativo reúne relatos e reflexões, em vídeo e textos, de telespectadores. Eles traçam uma relação entre suas vidas e a “vida” que pulsa na televisão; falam sobre o papel da televisão aberta e gratuita e sobre os modos como esse papel tem sido desenvolvido; e são deslocados para um lugar construtivo de reflexão, que considera anseios, empatia, aprovação, reprovação, expectativas, fruição positiva e proposições relacionadas ao aprimoramento desse veículo de comunicação.

Funcionamos, também, como um repositório de trabalhos acadêmicos e documentos audiovisuais sobre a televisão e a sua história.

UNIVERSIDADE E COMUNIDADES

O que podemos fazer para promover o aprimoramento ou mesmo uma revolução no território televisivo brasileiro?

O Museu da Memória e Oralidades sobre a TV foi proposto pela pesquisa de pós-doutoramento de Deisy Fernanda Feitosa, vinculada ao Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos (Diversitas) e ao seu Programa de Pós-Graduação – Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH-USP); ao LabArteMídia, grupo de estudos vinculado ao Departamento de Cinema, Rádio e Televisão e do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (CTR-ECA/USP); e ao Observatório Brasileiro de Televisão Digital e Convergência Tecnológica (Obted).

A pesquisa tem o objetivo de pensar em uma televisão mais democrática, ética e plural. E está baseada na metodologia da Produção Partilhada do Conhecimento, conceito formulado pelo pesquisador professor Dr.Sérgio Bairon, que sugere o intercâmbio de saberes e a produção do conhecimento entre universidade e comunidades; e no conceito de “Semiosfera Televisa” de Almir Almas, que trata de uma televisão que converge para novas semioses, devido às transformações provocadas pela conversão de tecnologias e conteúdos. É um conceito formulado ao longo de anos realizando conferências e pesquisas, a partir de uma adequação do conceito “Semiosfera”, de Yuri Lotman (1982), que trata da influência, imbricamento contínuo dos processos sígnicos na esfera que agrega ambientes interconectados.

Por isso, além de se lançar mão de suporte bibliográfico, pesquisas acadêmicas e diagnósticos de mercado, através de um movimento de escuta, a pesquisa reverbera as vozes de ativistas, alguns dos quais acadêmicos com pesquisas dedicadas ao campo das diversidades, que refletem de forma aprofundada sobre a televisão aberta gratuita.

Dessa forma, pretende-se contribuir com a reconfiguração do modelo de produção televisiva, levando as emissoras de televisão aberta a repensarem determinadas narativas e modos de produção e a corrigirem prejuízos históricos construídos, reforçados ou ignorados por décadas no processo do fazer televisivo, no tocante à representação social, à promoção das identidades e às pluralidades territoriais e culturais brasileiras.

 

CONHEÇA A NOSSA REDE  DE
PESQUISADORES COLABORADORES

O que nos une são anos de pesquisas dedicados à televisão e seus aspectos pedagógicos, tecnológicos, narrativos e referentes à audiência.

DEISY FEITOSA

Fundadora – Senac (SP), Núcleo Diversitas, LabArteMídia e Obted – Universidade de São Paulo (USP) 

                                                                                                                                     Foto: Simona Luchian

Jornalista, professora universitária e radialista; tem mestrado em TV digital e doutorado em Ciências da Comunicação; e atualmente é pós-doutoranda em um projeto transdisciplinar que une Diversidades e Meios e Processos Audiovisuais. Em sua última experiência profissional, na EAD/Seja Digital, propôs a construção de uma tecnologia social que apoiou a população brasileira durante uma importante transição tecnológica da TV analógica para a digital.
É cofundadora e cocoordenadora do Observatório Brasileiro de Televisão Digital e Convergência Tecnológica (Obted), vinculado ao LabArteMídia-CTR-ECA-USPNo campo do jornalismo e da tecnologia, é colaboradora da Revista da SET (Sociedade de Engenharia de Televisão).

Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4214863Y5

ALMIR ALMAS

                       Pesquisador Associado – CTR (LabArtetMídia/Obted) – Universidade de São Paulo (USP) – Brasil

                                                                                                                                          Foto: Simona Luchian

Professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (CTR / ECA / USP), desde 2002; Chefe do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão, gestão 2016-2022; Pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Aartes da Universidade de São Paulo. Doutor e Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC / SP). Possui graduação em Psicologia e Bacharelado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É videoartista, produtor e diretor audiovisual; e pesquisa Televisão Digital, Interatividade, Vídeo, Cinema, Arte Eletrônica e Cultura Japonesa. Dirige e realiza obras de videoarte, videopoemas e intervenções na mídia.

CIRLENE SOUSA

                                    Pesquisadora Associada – Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) – Brasil

                                                                                                                                              Foto: arquivo pessoal

Professora da pós-graduação e graduação em Pedagogia da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG). É vinculada ao Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Letras (NEPEL) e possui graduação em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000). É especialista em Comunicação e Cultura pela PUC-SP, possui mestrado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Em 2013, realizou um estágio de pesquisa de doutoramento na Universidade do Minho, em Portugal. É pesquisadora do Observatório da Juventude da UFMG, onde atua nas áreas de televisão, educação, línguas, cultura midiática e juvenil, políticas de educação juvenil, escola e diversidade, comunicação e educação e formação de professores.

ALEXANDRE KIELING

                                  Pesquisador  Associado – Universidade Católica de Brasília (UCB) – Brasil

                                                                                                                              Foto: Simona Luchian

Graduado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Santa Maria (1985) e especialista em Cinema e TV (2000). Também possui mestrado (2004) e doutorado (2009) em Ciências da Comunicação pela Universidade Vale do Rio dos Sinos. Realizou pesquisas sobre interatividade na TV durante estágio de doutorado na Sorbonne Nouvelle Paris 3 (França), sob a orientação do Professor François Jost. Alexandre é atualmente professor do Programa de Mestrado em Comunicação e Estudos da Comunicação da Universidade Católica de Brasília. Possui vasta experiência em produção e gestão de produção audiovisual, principalmente em televisão. Ele pesquisa extensivamente digitalização de mídia digital, TV digital, televisão brasileira, interatividade, narratologia, conteúdo audiovisual e conteúdo digital. Coordena um grupo de pesquisa que estuda conteúdos digitais e interativos.

HELI SABINO DE OLIVEIRA

                                  Pesquisador  Associado – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Brasil

Professor Adjunto da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012); Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, 2000); Licenciado em História pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Belo Horizonte (FAFI-BH, 1992). Atuou como professor de História em diversas unidades escolares da Rede Estadual de Educação de Minas Gerais, entre os anos de 1990 e 1995. Trabalhou como coordenador pedagógico na Educação de Jovens e Adultos (Escola Municipal Moysés Kalil, em 1997 e em 2000). Lecionou nas seguintes Instituições de Ensino Superior: Universidade do Estado de Minas Gerais (2001-2003); Universidade Presidente Antônio Carlos (2003-2007); Faculdade de Sabará (2001-2008). Atuou como professor substituto da Faculdade de Educação da Universidade Federal Minas Gerais (2013). Pesquisa temas relacionados à laicidade e diversidade religiosa na escola pública, políticas educacionais de Educação de Jovens e Adultos e Ensino de História. Integra a linha de Educação de Jovens e Adultos, no mestrado profissional da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais.